Restauração de Dentes: Saúde e Beleza para sua Boca

Quando se fala em saúde bucal, uma das primeiras coisas que se passa em nossa cabeça é a restauração dentária, conhecida popularmente como obturação. O procedimento é comum por conta do alto número de pessoas que têm ou já tiveram cárie. A única forma de reparar o dano é fazer a restauração. O procedimento é indicado ainda em outros problemas, como dente quebrado.

Indo mais a fundo sobre a estimativa de cárie na população, um estudo conduzido pelo Ministério da Saúde em 2003 traçou um mapa do problema no Brasil. Os números são alarmantes pois quase 27% das crianças de 1 a 3 anos apresentaram pelo menos um dente com cárie. Considerando os pequenos até 5 anos, a proporção de crianças com cárie chegou a quase 60%, atingindo 70% das crianças na faixa etária até 12 anos. Entre os adolescentes, 90% relataram ter pelo menos um dente com cárie (ou já ter tratado). Por isso a importância de saber mais sobre restauração e cuidados com os dentes.

Quando estamos com um dente danificado, precisamos buscar auxílio de um dentista. Uma vez instalada, a cárie vai causando prejuízos à boca. Por isso, quanto antes a intervenção foi feita, melhor será o prognóstico.

Em Londrina, Dr. Cláudio Romagnoli Junior faz o tratamento devolvendo aos dentes sua forma e funções normais e sadias. A intervenção precoce pode ser a diferença entre manter o dente por toda a vida ou ter que substituí-lo por uma prótese. Quando o tratamento dos dentes cariados é realizado no início, ele melhora não só a aparência como também resolve problemas como fratura dental e evita que danos mais graves aconteçam e possam necessitar de tratamentos mais profundos, como canal.

 

O que é uma Restauração de Dentes?

 

A restauração dentária ocorre quando um dentista repara um dente danificado, cariado ou perdido, devolvendo a sua forma e função normais.

Quando o tratamento dos dentes cariados é realizado no início, pode ajudar seu dente a durar o resto da vida. Além de melhorar a aparência, quando resolve problemas como fratura dental e a cárie em seu estágio inicial, evita que danos mais graves aconteçam.

Não prestar atenção ao espaço deixado por um dente perdido, pode ocasionar problemas também aos outros dentes. Quando falta um dente, os outros podem se inclinar, tentando fechar o espaço vazio, prejudicando sua aparência e dificultando a mastigação e a fala.

 

Como é Feita uma Restauração de Dentes?

 

A primeira pergunta que muitos pacientes fazem é sobre o material que será usado na restauração. Por isso vamos começar por aí. As mais conhecidas são as restaurações com amálgama (aquelas prateadas) e as de resina (da cor do dente). Mas há ainda as de porcelana e a restauração de ouro.

A restauração de amálgama é a mais conhecida e também a relativamente mais barata. O ponto forte é a resistência do material, mas sua cor cinza prateada incomoda muitas pessoas. Esteticamente não é a melhor opção, principalmente para áreas visíveis da boca. Por isso ela não é indicada nesses casos. Para os dentes do fundo, que ficam mais escondidos, é uma opção acessível.

As resinas compostas são outro material indicado para a restauração dentária. Elas ficam bem próximas da cor natural dos dentes e por isso são bem requisitadas. Os ingredientes (compósitos) são misturados e colocados diretamente na cavidade, onde endurecem. Os pontos fortes desse material, além do aspecto natural que conferem aos dentes, é o fato de produzirem uma menor destruição no local. Isso acontece pela maior capacidade dos compósitos de aderirem ao dente. Mas esse não é o material ideal para restaurações muito extensas. Isso porque a resistência é menor e com isso a restauração pode partir mais facilmente ao sofrer o desgaste com o tempo. A resina também podem manchar ao ter contato frequente com pigmentos (cigarro, chá, café). A duração estimada é de 3 a 10 anos.

Outra opção são as restaurações de porcelana (outlays ou inlays), também chamadas incrustações ou facetas. Elas são feitas sob medida por um laboratório de próteses e, em seguida, cimentadas no dente para restaurar a parte danificada. Como as resinas, o material também se assemelha à cor do dente com a vantagem de resistir às manchas.

A quarta opção é a restauração a ouro que também precisa ser feita em um laboratório de próteses para, posteriormente, ser colocada no dente. A tolerância dos tecidos a este tipo de restauro é elevada e a sua durabilidade é alta, podendo se estender a mais de 20 anos. Muitos técnicos consideram o ouro o melhor material para restauração. O tratamento exige várias visitas à clínica dentária e tem um preço elevado.

Para todos esses casos a restauração é feita com a remoção da área afetada. Em caso de cárie, esta precisa ser totalmente retirada do local com o auxílio de uma broca. O espaço é higienizado e posteriormente preenchido com o material escolhido para a restauração, que pode ser amálgama, resina, porcelana ou ouro. Todo o procedimento é feito em uma única visita ao dentista (salvo quando há várias restaurações a serem realizadas). A restauração ajuda a prevenir uma deterioração posterior pois fecha o acesso das bactérias e não permite que elas se infiltrem.

 

Para Danos Maiores

 

Por vezes o espaço danificado no dente exige intervenções maiores. Entre as opções de reparo nesse caso está a coroa de porcelana. Ela é moldada conforme a falha, se transformando em uma “capa” que vai revestir o dente. Com a coroa de porcelana é possível refazer um dente destruído; neste caso usa-se a raiz como um alicerce para a reconstrução do dente. Outra indicação são dentes que necessitam de restaurações maiores, como cáries que atingiram boa parte da estrutura do dente, e dentes fraturados. O resultado ficará natural, com aspecto semelhante ao dente.

 

Diastemas

 

Sabe aqueles espaços que ficam entre os dentes? Eles levam o nome de diastemas e também podem ser corrigidos por restauração. Nesse caso o tratamento será para reparar um problema estético, que afeta a harmonia do sorriso. Para fechar o espaço são usados materiais já citados: facetas de porcelana ou resinas compostas. Nesse caso é preciso buscar um material que tenha cor parecida com o dente natural, por isso não é utilizado o amálgama ou ouro.

 

Quando Devo Substituir a Restauração?

 

Muitas pessoa que fizeram restauração com amálgama têm vontade de trocá-la pela questão estética. Se o incômodo realmente for grande, há a indicação. Mas, de fato, as restaurações dentárias só precisam ser substituídas quando apresentam algum problema, como infiltração, que pode levar ao aparecimento de cáries novamente. Além disso, a substituição de restaurações de amálgama também pode ser indicada quando existe libertação de substâncias que mancham o esmalte.

As visitas regulares feitas ao dentista são uma forma de evitar danos às restaurações e identificar quando elas começam a se deteriorar e precisam ser trocadas. E isso é muito importante: o fato de um dente ter sido restaurado não significa que ele não possa apresentar cáries novamente. A limpeza correta da boca – que inclui dentes, língua e gengiva – é essencial para manter a saúde bucal.

div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container {background-image: url(https://claudioromagnoli.com.br/wp-content/uploads/2019/10/claudio-romagnoli-dentista-londrina-clinica-hall-background-2.jpg);background-size: cover;background-position: center center;background-attachment: initial;background-repeat: initial;}#stuning-header div.page-title-inner {min-height: 350px;}
Open chat